Significado do design das cartas de baralho

Cartas de baralho são a combinação perfeita entre estética e funcionalidade, já reparou?


Não só na tradição com os familiares, mas também na modernidade, as cartas vem mantendo espaço com o advento da tecnologia que traz jogos populares para os computadores e smartphones, como paciência, poker e buraco.


No Brasil, por exemplo, o baralho tem o dia nacional, comemorado em 13 de setembro.


Sendo uma parte tão presente na nossa cultura, você já parou para analisar o design e a história das cartas?


A história das cartas


Há controvérsias sobre o surgimento das cartas de baralho, há quem acredite que elas surgiram na China por volta do século X, sendo feitas inicialmente de ossos e marfim e, com o surgimento do papel mais pesado a carta passou a ser impressa.


Existem também aqueles que afirmam que sua origem é árabe durante o século XVIII.


Com a evolução dos processos de impressão e fabricação do papel, os relatos sustentam que as cartas já podiam ser encontradas na Europa no século XIV, e começaram a ficar populares em vários países no século XV.

Haviam dois tipos principais de design na Europa nessa época: o parisience (popular na França) e rouennais (popular na Inglaterra).


O baralho como conhecemos hoje, é a fusão da versão espanhola com a francesa e um leve toque inglês. No primeiro modelo, cada naipe representava uma parcela da sociedade naquela época, sendo:


  • Ouros: simbolizado por moedas de ouro - caracterizando os comerciantes;

  • Espadas: remetiam os militares;

  • Copas: quando se traduz do espanhol como taças - retratava o clero;

  • Paus: reflete a classe operária.



E aí chegou a versão francesa, que remodelou os naipes espanhóis, principalmente porque os símbolos franceses eram mais simples de se produzir em larga escala.


Você deve estar se perguntando, e o toque inglês? Basta reparar nas siglas das cartas do Rei (K - King), dama ou rainha (Q - Queen) e o valete (J-Jack).


O design das cartas


Você já ouviu falar em simetria? O baralho é um belo exemplo no design. O propósito da simetria nas cartas é totalmente funcional: você não pode segurar uma carta de cabeça para baixo.


O princípio básico é fazer o jogo fluir de forma intuitiva, além do design tornar as cartas mais atraentes, na medida em que você não precisa, necessariamente, se preocupar com a disposição das cartas na sua mão, já que, independente de como estejam, você saberá exatamente qual carta está segurando.


Os números e letras inseridos no canto das cartas são estrategicamente dispostos, fazendo que você consiga segurar as cartas bem juntas e ainda assim ver o valor de cada carta. Isso faz com que você consiga segurar várias cartas em uma só mão.


Legal, né?! Conta pra gente, você já sabia de alguma dessas informações?


10 visualizações0 comentário